Publicado por: efolley | agosto 26, 2008

Pantaneiros desenvolvem meios sustentaveis com bocaiuva

 

Uma despolpadeira de bocaiúva é a nova aquisição tecnológica da Associação de Pescadores de Iscas Vivas do município de Miranda, em Mato Grosso do Sul. Com o maquinário a comunidade terá a oportunidade de desenvolver novos meios sustentáveis de renda a partir do extrativismo da fruta regional.

A bocaiúva é uma palmeira encontrada em quase todo o Brasil (do Pará até São Paulo e Mato Grosso do Sul), ocorrendo também na Bolívia, Paraguai e Argentina. No município de Miranda é encontrada com grande facilidade em meio à vegetação nativa.

Carinhosamente chamada de “chiclete pantaneiro” a bocaiúva tem sabor exótico e dela pode se aproveitar tudo: a casca, como combustível de queima de biomassa; a polpa para produção de alimentos, como compotas, farinha e sorvete, além do aproveitamento de seu óleo para a indústria de cosméticos, para a produção de sabão ou mesmo óleo para culinária, tal qual o dendê; a castanha da semente pode ser utilizada também de forma alimentícia e também extrair seu óleo. Estudos já são realizados para a utilização do óleo da bocaiúva como biocombustível.

Desde que iniciou seu projeto com comunidades de pescadores de iscas no Pantanal, a organização não-governamental Ecoa os incentiva na pesquisa de meios alternativos de renda, principalmente durante o período do defeso quando é proibida a prática da pesca. Entre as ações estão capacitações na utilização de frutos nativos.

Percebendo a potencialidade da bocaiúva, a Ecoa iniciou, desde então, a procura por um maquinário que facilitasse a separação da polpa da semente sem que esta prejudicasse a qualidade do produto e que também associasse resistência e custo acessível.

A máquina encontrada foi idealizada por um engenheiro mecânico que solicitou a produção do modelo piloto para Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minas Gerais, Estado de longa tradição no aproveitamento da fruta, lá conhecida como macaúba.

“A nossa bocaiúva é mais adocicada e agradável ao paladar. Quando encontramos a despolpadeira ela teve de ser adaptada para o fruto da nossa região de modo que não prejudicasse a qualidade da polpa para a produção de alimentos. Assim, partes que entram em contato com a polpa que eram de ferro foram trocadas por aço inoxidável para evitar ferrugem”, explica o coordenador de trabalho de campo da Ecoa, Jean Fernandes. Este é o primeiro equipamento desenvolvido pela instituição mineira comercializada para outro Estado.

Uma parceria com o Departamento de Tecnologia de Alimentos (DTA) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) irá desenvolver boas práticas na utilização do maquinário e de higiene de acordo com a preparação de cada produto. Além de ser estudado os produtos de maior demanda e adaptação à realidade local.

Para a pesquisadora Darli Castro Costa, do DTA, a nova empreitada tem todos os componentes para gerar produtos de qualidade garantida. “A bocaiúva é um fruto completo. Contém vitamina A, sais minerais, gordura e carboidratos. Estudos e pesquisas não faltam para que se comprove isso. O grande diferencial será trabalhar a sua utilização que é pouca, e essa máquina vem sanar isso. Esse trabalho irá mostrar à comunidade que eles têm um produto que ainda não foi valorizado”, constata.

Fonte: MS Notícias

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: