Publicado por: cafreitas | agosto 27, 2008

Pesquisador fala sobre a Onça Pintada

 

A onça-pintada é tema de discussão nessa semana em que ocorreu mais um caso de ataque do animal. Dessa vez o pantaneiro Gregório Costa Soares, de 65 anos foi atacado pela fera em sua fazenda na região do Paiaguás. Em entrevista nessa terça-feira, 5 de agosto, Gregório contou que foi salvo por quatro cães, mas ficou ferido nos braços e quase perdeu a vista.

Em decorrência do fato o Corumbá On Line procurou o pesquisador da Embrapa Pantanal (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Walfrido Tomás, especialista em estudo de animais silvestres para tirar algumas dúvidas de como vivem e agem as onças-pintadas.

Corumbá On Line: É proibido matar animais silvestres?

WT: É proibido matar animais silvestres no Brasil,desde 1967. Quando se trata de espécies ameaçadas, o problema é mais grave ainda para o transgressor.

Corumbá On Line: Na região do Pantanal que lugares as onças-pintadas procuram viver?

WT: As onças pintadas, no Pantanal, não ocorrem de maneira uniforme em toda a região. Existem áreas preferidas por elas, e estas áreas geralmente são aquelas mais baixas, mais inundáveis, ao longo dos rios. As áreas do Pantanal onde onças pintadas são mais abundantes estão ao longo de todo o rio Paraguai, nas áreas marginais dos Pantanais do Paiaguás e Nhecolândia, além dos Pantanais do Abobral, Miranda, Rio Negro e Nabileque. No norte, são mais comuns na região sul dos Pantanais de Poconé e Cáceres. Ou seja, numa vasta região central (Nhecolândia e Paiaguás), leste (Aquidauana, Rio Verde, Coxim, Barão de Melgaço) e norte (Cáceres e Poconé), as onças são raras ou nem ocorrem. Parece haver uma concordância entre a ocorrência de onças pintadas exatamente onde há mais abundância de presas costumeiras, de grande porte, como cervos, capivaras, jacarés e queixadas, o que faz sentido do ponto de vista ecológico.

Corumbá On Line: O homem pode aprender a conviver com onças?

WT: Sim, não há porquê acreditar que seja impossível esta convivência. O Pantanal impõe certas características próprias aos que aqui querem viver, e entre elas estão as cheias, que são naturais e não catastróficas. O Pantaneiro aprendeu a conviver e tirar proveito dos efeitos das cheias, que na verdade sustentam toda a produtividade do ecossistema, seja para pastagens naturais, seja para produção pesqueira. Outra característica pantaneira é a existência de e deve-se aprender a conviver com isso da mesma forma que se aprendeu a conviver com as cheias. Aliás, é possível tirar proveito disso através do turismo e da valorização dos produtos da região que são obtidos em propriedades que conservam biodiversidade. Isso pode ser feito, por exemplo, através de certificação de fazendas.

O Pantanal, neste caso, é uma região privilegiada, e os pantaneiros que conservam merecem algum grau de compensação por este serviço que prestam à sociedade. Maior valorização dos produtos pecuários destas fazendas é apenas uma estratégia de compatibilizar a produção pecuária e a conservação das onças, já que a maior remuneração pelo gado compensaria os eventuais prejuízos causados pelas onças.

Corumbá On Line: Em que situações as onças atacam?

WT: Casos de ataque deliberados por onça são raríssimos, e quase sempre a situação em que ocorreram geralmente são confusos. Onças geralmente atacam quando ameaçadas, sejam acuadas durante caçadas, seja quando têm uma presa recém abatida e tentam defendê-la. Estas situações têm sido a tônica na maior parte dos casos de acidentes fatais ou quase fatais com onças no Brasil. No caso do acidente desta semana no Pantanal, a onça pode ter se sentido ameaçada, já que estava predando suínos na propriedade. Nesta situação crítica, não se pode enfrentar um animal do porte de uma onça. O melhor é deixar ela em paz e se adaptar para evitar novos casos de predação. Ao que aprece, o senhor atacado se aproximou em companhia de cães, e assim é de se esperar que a onça já saia atacando cães e pessoas. Há muitos casos de cães mortos nesta situação.

Corumbá On Line: Há vários estudos sobre a conservação da onça?

WT: Sim, nos últimos 5 anos, pelo menos 4 projetos foram desenvolvidos para estudar, principalmente, o conflito entre predação de gado por onças, visando encontrar caminhos para minimizar o problema.

É preciso esclarecer que os resultados até agora indicam que apenas uma ou outra onça costuma predar gado rotineiramente. Na maioria das vezes, as onças se alimentam de jacarés, cervos, queixadas, caititus e capivaras. A predação de gado bovino tem sido consistentemente avaliada, usando-se equipamentos de alta tecnologia, e indicam que, de um modo geral, o impacto das onças no rebanho bovino é bem menor que se tem aventado. Como regra geral, não vão além de 5% do rebanho ao ano, quase sempre nem chegando à metade disso. Mas duas coisas precisam ser levadas em conta: podem haver exceções a esta regra, e outras causas de perdas nos rebanhos são muito mais importantes do que a predação pelas onças. Neste caso, podemos citar doenças, ervas tóxicas, frentes frias, mau manejo, deficiência reprodutiva nos rebanhos, etc. Somadas, estas fontes de prejuízos tornam as perdas pelas onças quase desprezíveis. Assim, talvez seja compensador resolver outros gargalos econômicos das fazendas antes de culpar as onças por tudo. São argumentos fortes baseados em dados científicos. Então, é preciso desmistificar o assunto e usar bom senso.

Corumbá On Line: A legislação permite o abate?

WT: A legislação ambiental prevê exceções, ou seja, remoção ou abate de animais predadores que ameaçam a vida humana ou rebanhos domésticos. Entretanto, as regras são rígidas e isso precisa ser realizado com autorização pelo IBAMA, este possui um Centro especializado nestes casos, que é o CENAP, cujo quadro técnico é altamente capacitado para resolver conflitos desta natureza. Mas é preciso também pensar que não se pode tentar remover onças cada vez que um exemplar for avistado próximo a uma propriedade ou cada vez que houver caso de predação. O simples fato de se alegar riscos não significa que a remoção é indicada.

Trata-se de uma espécie globalmente ameaçada, e a população do pantanal é uma das mais importantes em toda área de distribuição das onças pintadas. Fora da Amazônia e do Pantanal, a espécie está em situação crítica. É preciso aprender a conviver com elas da mesma forma como se aprende a conviver com os riscos permanentes existentes em outra selva: a de pedra.

Fonte: Site Corumba Online

Anúncios

Responses

  1. Adorei esse site tem tudo o que agente pesquisar

  2. ADOREI O SITE TEM TUDO QUE PRECISAMOS

  3. amei tem a figura q eu preciso, bjks xaau

  4. eu gostei muito deste site poque ele tras tudo o que eu presiso pesquisar.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: